Magdalena at the Theatro Municipal

Date: 
02/15/2012 - 20:00
02/17/2012 - 20:00
02/19/2012 - 18:00
02/23/2012 - 20:00
02/25/2012 - 20:00
Location: 
Brazil: Sao Paulo
Work Performed: 
Magdalena

Programação Comemorativa aos 90 anos da Semana de Arte Moderna
Theatro Municipal
Ingressos à venda a partir do dia 1º de fevereiro

15, 17, 23 e 25/02 às 20h; 19/02 às 18h
Magdalena - ópera em 2 atos de Heitor Villa-Lobos
Produção original do Theatre du Chatelet - Paris - 2010
Orquestra Sinfônica Municipal, Coral Lírico e Coral Infantil Heliópolis (Instituto Baccarelli)
Luís Gustavo Petri - direção musical e regência
Mário Zaccaro - regente do coro
Kate Whoriskey - direção cênica
Derek McLane - cenografia
Paul Tazewell - figurinos
Alexander Koppelman - desenho de luz
Warren Adams - coreografia
Elenco: Rosana Lamosa (Maria); Luciana Bueno (Teresa); Rubens Medina (Pedro); Sávio Sperandio (General Carabaña); Saulo Javan (Padre José); Miguel Geraldi (O Velho Homem); Paulo Queiroz (Zoggie); Pedro Ometto (Major Blanco)

Duração: (1º. ato: 55' - intervalo de 20'- 2º. ato: 40'- total: 1h55')
Ingressos: R$ 100,00; R$ 60,00 e R$ 40,00

A ópera "Magdalena", de Heitor Villa-Lobos, com libreto dos americanos Robert Wright e George Forrest, fez sua estreia na Broadway em 1948 e teve sua première brasileira apenas em 2002, no Festival Amazonas de Ópera, em Manaus, com versão em português de Cláudio Botelho. Em agosto de 2010, foi apresentada em forma de concerto no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.
Essa produção foi realizada em 2010 pelo Theatre du Chatelet, de Paris. Magdalena nunca foi encenada em São Paulo.
A partitura foi encomendada a Heitor Villa-Lobos pelos letristas norteamericanos Robert Wright e George Forrest - dupla posteriormente responsável pela bem sucedida montagem de "Kismet", musical adaptado sobre a obra de Borodin - que queriam um espetáculo que tivesse como cenário a América do Sul. Misto de musical e opereta cômica, a peça estreou em 1948 e passou, ao longo de três meses, por Los Angeles, São Francisco e Nova Iorque. Com toques tragicômicos, o musical fala de conflitos religiosos, da luta dos povos ameríndios contra a opressão, da exuberância dos trópicos e suas riquezas naturais.
O maestro Luis Gustavo Petri exalta a importância da obra: "Villa-Lobos rotulava ‘Magdalena' de uma ‘aventura musical´. Sua estreia tardia no Brasil talvez se deva a um certo preconceito por ter sido pensada para o teatro musical americano da Broadway e pelo fato de que alguns temas utilizados por Villa terem sido retirados de outras obras anteriores que compôs. Villa captou muito bem a atmosfera do musical americano que ficou enormemente enriquecida com a brasilidade dos temas utilizados".